JOGOS LÚDICOS  (CONCURSO - LIVROS E ARTIGOS) escrito em terça 16 fevereiro 2010 13:32

JOGOS

INTRODUÇÃO AOS JOGOS LÚDICOS 

O jogo é uma atividade espontânea, livre, desinibida, desinteressada e gratuita, pela qual a criança se manifesta, sem barreiras e inibições, tal qual é. Podemos dizer que o jogo é a atividade, o "trabalho" próprio da criança.

Cada vez mais devemos respeitar a criança no seu modo peculiar de "ser criança", sem tentarmos transformá-la num "adulto em miniatura", pois estaríamos indo decididamente contra a natureza e o direito que ela tem de manifestar-se e agir conforme é.

Neste conceito de respeito pelo "ser criança", inclui-se o respeito pelo direito de brincar e jogar. Este é, aliás, um dos artigos da Declaração Universal dos Direitos da Criança: "A criança terá direito à alimentação, habitação, recreação e assistência médica adequada". "A criança terá ampla oportunidade para brincar e divertir-se".

Através do jogo e da brincadeira, a criança satisfaz algumas de suas necessidades mais básicas, tanto no campo físico como no psíquico e social.

O próprio fato de estar em fase de crescimento faz com que a criança se sinta impelida ao exercício físico. O jogo, por sua vez, exercita de maneira muito variada todas as possibilidades físicas da criança: resistência física, respiração, força muscular, flexibilidade das articulações, habilidades variadas, agudez de intuição, rapidez mental, agilidade, precisão de gestos, coordenação de reflexos, equilíbrio, etc. Pode-se objetar que a ginástica também tem esses efeitos. Sem dúvida. A diferença está em que o jogo interessa à criança, enquanto a ginástica é vista como uma obrigação a ser cumprida.

Nem sempre a criança tem possibilidade de se expressar com liberdade e espontaneidade em família ou na escola. Será no jogo que a criança irá se manifestar ela mesma, sem inibições e sem censuras. Quanto maior liberdade de expressão a criança tiver, mais ela se desenvolverá psiquicamente sadia. Muitas inibições curam-se com o jogo. No momento de brincar, a criança sente-se feliz e não se preocupa com o que está ao seu redor.

Sabemos que a partir dos 3 anos, a criança necessita de um grupo. Essa necessidade irá aumentando sempre mais no decorrer da infância, adolescência e juventude, até desabrochar no convívio social do adulto, para quem os contatos são de extrema necessidade.

O grupo social em que vive cada pessoa tem suas leis e seus regulamentos. Confere a cada participante certos direitos, mas impõe também certos deveres.

A descoberta e integração no grupo social chama-se socialização. É um processo que se desenvolve aos poucos, gradualmente. Com passos lentos, a criança percebe que existem outros ao seu redor, que o mundo não é só dela, que existem certas coisas que ela deve respeitar e outras que deve fazer.

Através do jogo, podemos criar todas as situações do processo de socialização e ajudar a criança na convivência com seu grupo de colegas. É um aprendizado suave, divertido e que lhe proporciona constante alegria. No jogo aprende-se a colaborar, a repartir, a observar um regulamento, a ceder o individual para que o grupo vença: aprende-se a vencer e a perder.

Quando observamos um grupo de crianças jogando, brincando, percebemos como são felizes. Vivem o mundo idealizado por elas, esquecendo-se de tudo e de todos. Os indiferentes aos poucos se aproximam, os agressivos aprendem a controlar-se, os mandões transformam-se em líderes, os egoístas repartem. Na convivência com o grupo que joga, vai se afirmando uma personalidade equilibrada e sadia.

Podemos sintetizar alguns dos valores do jogo da seguinte maneira:

— é fonte sadia de realização e diversão;

— é maneira de desenvolver-se fisicamente;

— é estímulo ao progresso, ao desenvolvimento da personalidade;

— é aprendizado para vida em sociedade;

— é descoberta de capacidades e limites;

— é meio de cura para traumas e complexos;

— é descoberta do valor da pessoa humana;

— é respeito pelo ser da criança.

Para que o jogo alcance o objetivo de dar prazer e alegria à criança, requer-se, como condição indispensável, que haja total liberdade de participação. Não devemos jamais obrigar uma criança a brincar.

Após estas considerações iniciais sobre o jogo, como elemento indispensável na vida da criança, vejamos agora algumas de suas características: O jogo não é utilitário, isto é, não é um trabalho, apesar da criança empenhar nele todas as suas energias; não lhe interessa o resultado do jogo, mas o fato de jogar.

— O jogo é gratuito. A finalidade do jogo é a alegria de jogar, e por isso mesmo devemos abolir o sistema de premiar os vencedores. O maior prêmio para a criança é ela poder brincar.

— O jogo é escolhido livremente. Quanto mais houver participação na escolha do jogo, mais a criança se interessará na sua realização.

— O jogo sempre lhe traz prazer mesmo que ela caia e se machuque. O prazer de superar obstáculos e vencer dificuldades é maior que qualquer recompensa.

— O jogo é um meio da criança superar suas tensões, portanto é um descanso, mesmo quando implica em desgaste físico ou mental.

— O jogo é sempre um motivo de alegria, pois a criança coloca nele toda a sua personalidade.

— O jogo é uma atividade vital para a criança. E poderíamos dizer o "trabalho próprio da criança", o de que ela mais necessita e gosta de fazer.

— O jogo é fator de equilíbrio para a criança, pois ela o escolhe não por refletir e compensar algo que lhe falta, mas num impulso para o que lhe dá a maior alegria.

Devemos ter presente, quando vamos brincar com as crianças:

— A idade das crianças para escolher os jogos adequados.

Dos 3 aos 7 anos é a fase das proezas e imitações. Subir uma escada de costas, jogar uma pedrinha em tal lugar, saltar com um pé só, são algumas das proezas que as crianças, a partir dos 3 anos, inventam e realizam. Ao mesmo tempo começam a imitar os pais nos trabalhos: varrer a casa, falar ao telefone, lavar a louça, bater com o martelo, etc. Imitam também os animais e as máquinas. A criança está na fase das tabulações, onde tudo é possível: é um avião, um índio, uma fada, um animalzinho de estimação. É importante, nesta fase, não caçoar da criança que tenta imitar seus pais, pois correríamos o risco de fazer com que ela deteste certas atividades.

Aos 7, 8 e 9 anos, a criança procura jogos em que possa auto-afirmar-se. Assim "comanda" os coleginhas, irmãos ou primos menores: é a professora, o padre, o comandante do batalhão, a mãe, o pai. Exige obediência e disciplina dos seus "comandados".

Dos 10 aos 13 anos, a criança está no auge da fase do jogo social. Atinge o estágio do jogo cooperativo, onde o esforço é coletivo e cada um tem sua função determinada. Neste período, as regras do jogo devem ser muito claras e observadas à risca. A criança está formando em si o sentido da lei moral, por isso exige clareza e observância, também no jogo.

A partir dos 14 anos, quando entra na pré-adolescência, os interesses dos meninos e meninas se diversificam. O jogo já é encarado como esporte, como competição, ou então é simplesmente deixado de lado ou, ainda, utilizado apenas como distensão.

Além de sabermos escolher os jogos para cada idade da criança, devemos também levar em conta:

— O lugar em que se realizará o jogo: se ao ar livre ou em sala fechada. Campo, jardim, mata, etc. Para cada local, o jogo apropriado.

— O tempo: chuvoso, muito frio, sol, sombra, etc. Cada circunstância exige um jogo diferente.

— O solo onde se realizará o jogo: terra, grama, lama, asfalto, sala encerada, ladrilhos, etc.

— O material a ser utilizado: cada jogo traz a indicação do material. A maior parte do material é fácil de se encontrar ou fabricar. Devemos prever sempre o que vamos utilizar e providenciar com antecedência. Nunca improvisemos.

— A duração do jogo: se for um recreio curto, escolher jogos que possam ser concluídos em pouco tempo. Se forem horas ou uma tarde toda, intercalar jogos que exigem mais energias com jogos mais calmos, jogos longos com jogos mais curtos, etc.

— O número de crianças: às vezes é preferível dividir o grupo, do que tentar realizar com 50 crianças um jogo que será bem realizado apenas com 20.

— A roupa das crianças: estas devem se sentir à vontade para brincar, sem preocupação de que não podem sujar-se por causa das roupas. Quando for muito frio, convém que elas estejam bem agasalhadas, ou ao contrário, quando faz calor, que estejam com roupas leves.

Para que o jogo se realize a contento, deve ser muito bem explicado. Para isso é necessário que o dirigente conheça o jogo e as regras com clareza, e as exponha de maneira que todos os participantes entendam. A linguagem deve ser simples, clara, precisa e breve. Não "enfeitar" o jogo ou colocar mais regras do que há na realidade.

Para conseguir explicar um jogo, é indispensável que os participantes façam silêncio, e às vezes é difícil conseguir silêncio de uma turma que está entusiasmada. Cada um tem seu jeito próprio de conseguir silêncio. Uma coisa é certa: ninguém consegue silenciar um grupo falando mais alto que o próprio grupo.

Devemos também ser breves nas explicações, pois a criança não consegue prestar atenção por muito tempo. E para sermos breves, devemos fazer uma exposição clara e ordenada do jogo. Dificilmente seremos compreendidos se iniciarmos a explicação do fim para o começo. Devemos falar lentamente, sem atropelos. Utilizarmo-nos na explicação, de gestos que correspondam ao que estamos dizendo, por exemplo: se falamos lado direito e esquerdo, as crianças que estão de frente para nós se atrapalharão, se não indicarmos com gestos onde está a direita ou a esquerda.

Sempre que possível, façamos um diagrama ou esquema do jogo com uma varinha ou giz, conforme o "terreno do jogo", para que as crianças visualizem. Utilizar, para significar os jogadores, pequenas pedras ou sementes.

Descobrir os participantes que entendem logo o jogo e fazê-los demonstrar para os colegas como este se processa. Eles sentir-se-ão valorizados e, assim, não perturbarão os que ainda não entenderam.

Certificar-se de que todos entenderam as regras e o desenrolar-se do jogo, e para isso é interessante realizar uma partida de experiência, onde se afirmarão as regras e os movimentos.

Não podemos esquecer de:

— Marcar os limites do campo, os piques, os percursos.

— Dividir os partidos e as respectivas denominações. É estimulante para a criança dizer, em vez de Partido A e B, um nome fantasioso, por exemplo: "Partido dos Tupis" e "Partido dos Guaranis" e outras denominações.

— Diferenciar um partido do outro, colocando uma braçadeira, um lenço ou uma faixa colorida a tiracolo.

— Fixar a duração do jogo, ou a quantidade de pontos que se deve obter para considerar partida ganha.

— Estabelecer os sinais de arbitragem.

— Deixar bem claro o que não é permitido fazer, como por exemplo: dois colegas atacarem um adversário só.

— Deixar bem claro, também, o objetivo do jogo. Por exemplo: aprisionar os adversários, arremessar a bola no pique, etc.

O sucesso de um jogo depende muito do organizador ou líder. Quando esse sabe cativar as crianças e, sobretudo, ser uma criança entre as outras, certamente o jogo se desenvolverá de maneira satisfatória. O líder deve saber manter disciplina sem imposição, e ordem sem repressão. As crianças devem sentir-se plenamente livres diante do líder, sem inibições ou medos.

Lembremo-nos sempre de que o jogo é importantíssimo para a criança. Não sejamos nós a impor os jogos, mas demos ampla oportunidade para que a criança escolha suas brincadeiras.

VEJA TAMBÉM:

JOGOS EDUCATIVOS - CONCEPÇÕES PIAGETIANAS:

http://www.c5.cl/tise98/html/trabajos/jogosed/index.htm

Compartilhar
1 Fan

Faça um comentário!

(Opcional)

(Opcional)

error

Importante: comentários racistas, insultas, etc. são proibidos nesse site.
Caso um usuário preste queixa, usaremos o seu endereço IP (23.23.67.57) para se identificar     

Nenhum comentário
JOGOS LÚDICOS


Fechar a barra

Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para pedagogiaunicidiesdeguaianas

Precisa estar conectado para adicionar pedagogiaunicidiesdeguaianas para os seus amigos

pedagogiaunicidiesdeguaianas
pedagogiaunicidiesdeguaianas | 1 fans

Adicionar aos meus amigos | Escrever uma mensagem

 
Criar um blog